sardines and oranges

Por que não sou pintor
Não sou pintor, sou poeta.
Por quê? Acho que preferia ser
pintor, mas não o sou. Bem,
por exemplo, Mike Goldberg
está começando uma pintura. Eu passo lá.
“Sente-se e beba algo” ele
diz. Eu bebo; bebemos. Eu dou uma
olhada. “Você pôs SARDINHAS aí.”
"É, precisava de alguma coisa ali.”
“Ah.” eu digo e os dias passam
e eu passo lá outra vez. A pintura
está indo, e eu vou, e os dias
se vão. Eu passo lá. A pintura está
terminada. “Cadê as SARDINHAS?”
Tudo o que restou foram
letras, “Eram demais,” diz Mike.

Mas eu? Um dia estou pensando em
uma cor: laranja. Escrevo uma linha
sobre laranja. Não demora e já é
uma página inteira de palavras, não linhas.
E então outra página. Deve haver
muito mais, não laranja,
palavras, sobre quão terrível é laranja
e a vida. Passam-se dias. Já é até mesmo em
prosa, eu sou um verdadeiro poeta. Meu poema
está terminado e ainda não mencionei
laranja. São doze poemas, eu os intitulo
LARANJAS. E um dia numa galeria
vejo a pintura do Mike, intitulada SARDINHAS.
(trad. livre Dimitri – 2006)

4 comentários:

S. disse...

ótimo mesmo, maninho. :O)

Dimitri BR disse...

ih, olha ela aí.

bjo maninha.

Beatriz disse...

Dimitri, li o poema e apliquei na embalagem o selo "SIM, ISSO É UM POEMA". E talvez eu não quisesse nem um pouco ser uma pintora, nem uma poeta, talvez eu quisesse ser uma jornalista. De qualquer modo, alguém que soubesse relatar em poucas linhas a dificuldade de usar poucas linhas para falar. Acho que vou rascunhar um poema chamado "Economia".
Beijo

domeneck disse...

dimi

porque eu nao sou musico, e acho isso uma pena. seria lindo se voce pudesse voltar a berlim. recebo alfredo e graziela com muito prazer. saudades enormes, daquelas fatais, que batem quando alguem de repente emerge.
vou abrir um label aqui na alemanha, hoje eh o primeiro business meeting com meus partners.